domingo, 17 de outubro de 2010

Rama Vijayotsava ky jaya! Como vim a amar o meu Senhor




Segundo o Calendário Vaisnava, o Rama Vijayotsava será comemorado no dia 17 de outubro neste ano.


O Rama Vijayotsava marca o aniversário da vitória do Senhor Ramachandra sobre o poderoso Ravana. De acordo com a literatura Védica, o Senhor Rama era um avatar do Senhor Krishna, a Suprema Personalidade de Deus. O Senhor Rama atuou como um rei perfeito, instruindo a sociedade humana nos princípios do dharma (espiritualidade/religiosidade). Venceu o cruel demônio Ravana, que havia raptado sua esposa Sita devi e subjugou o mal com a ajuda de seus seguidores.

Em 1986, quando morava no templo em Caxias do Sul, fui encaminhada por meu esposo à época ao ashram das matajis, ou seja, ao quarto das moças. Entrei no quarto e lá fiquei, organizando minhas roupas em um armário pequeno que lá havia. Na porta havia um espelho, onde dali pra frente eu costumava mirar-me sempre que passava naquele local, nunca perdia essa oportunidade, de arrumar a tilaka, dar um jeito na trança, qualquer desculpa servia pra ficar ali, me namorando. Bem, fomos viajar, eu e Ananda Bhakti. Quando voltamos, o espelho não estava mais lá. Uma mataji, a dona, o havia retirado e levado.

Pra não ficar aquele prego atrás da porta sem nada pendurado, meu esposo pendurou ali uma enorme gravura do Senhor Ramacandra, algo parecido com esta. 
 


Todos os dias eu procurava mirar-me e ao invés de me encontrar, encontrava os olhos serenos de Sri Rama me observando. Isso foi me dando uma paz interior, uma certeza de que Ele estava comigo, eu fui me enamorando dEle, e até hoje agradeço. Agradeço a minha vaidade que trouxe o Senhor ao meu coração.

Sri Ramacandra Ky jaya!
Jaya Srila Prabhupada!

sua serva,

Candravali dd



sexta-feira, 17 de julho de 2009

Hare Krsna! Todas as glórias a Srila Prabhupada!

Este vídeo é lindo. Não esqueça de pausar a rádio mais abaixo antes de vê-lo!


video

domingo, 12 de julho de 2009


O Nama-upasaka

Por Sua Santidade Lokanatha Swami

O Brahma-vaivarta Purana descreve uma conversa que aconteceu em Dvaraka entre o Senhor Sri Krishna e Ganga-devi. Falando em nome de todos os rios sagrados, Ganga-devi expressou seu temor com a chegada da era das desavenças (kali-yuga) e a eminente partida do Senhor Sri Krishna de volta ao mundo espiritual. Ela disse: “Ó Senhor, podemos ver que os Seus passatempos estão para terminar e que as pessoas estão ficando mais e mais materialistas. O Senhor tem sido muito misericordioso para conosco. No entanto, após Sua partida, todos os pecadores de kali-yuga virão se banhar em nossas águas e secaremos tomados pelas reações pecaminosas”.

Sorrindo, o Senhor Krishna respondeu: “Tenha paciência. Daqui a 5 mil anos Meu mantra-upasaka (adorador dos santos nomes) vai aparecer neste mundo e difundir o canto do meu santo nome em toda parte. Não apenas em Bharata-varsa, mas também em todo o mundo as pessoas cantarão Hare Krishna Hare Krishna, Krishna Krishna Hare Hare, Hare Rama Hare Rama, Rama Rama Hare Hare. Através desse canto o mundo inteiro vai se tornar Hari-bhakta, devoto do Senhor Hari. E porque os devotos do senhor Hari são puros, todos aqueles que tiverem contato com esses devotos irão se purificar das reações pecaminosas. Esses devotos puros irão visitar Bharata-varsa e purificá-la de todas as reações pecaminosas ao se banharem em suas águas sagradas. Esse período de se cantar Hare Krishna no mundo inteiro vai durar dez mil anos”.

Esse mantra-upasaka é Srila Prabhupada. Ele próprio dizia frequentemente que haveria um período de dez mil anos, uma era dourada, dentro de kali-yuga, quando todo mundo seria consciente de Krishna.

Em outro sastra, chamado Caitanya-mangala está dito que Narada Muni, enquanto visitava o mundo espiritual, chegou até o Senhor Gouranga. O Senhor lhe contou de Sua missão para destruir as atividades pecaminosas da era de kali: “Com o machado poderoso do nama-sankirtana”, disse Ele, “Eu vou cortar os duros nós dos desejos demoníacos dos corações de todos. Mesmo se os pecadores rejeitarem a religião ou fugirem para países estrangeiros, ainda assim eles vão obter a minha misericórdia. Eu mandarei o mor senapati-bhakta para lá e dessa maneira vou liberá-los”. Mor significa “Meu”, Senapati significa “comandante geral” e bhakta, “devoto”. Mor senapati bhakta refere-se, assim, ao devoto que vai liderar o exército do Senhor Caitanya ou, em outras palavras, o devoto a quem o Senhor Caitanya vai dotar de poder para difundir a consciência de Krishna em todo o mundo. Esse comandante do exército de sankirtana é Srila Prabhupada.

*texto revisado por Paramahamsa Dasa

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Histórias


Por Srila Prabhupada



A melhor benção

Conta-se que certa vez um brahmana pobre adorou o Senhor Shiva em troca de uma benção, ao que o Senhor Shiva aconselhou o devoto a que fosse ter com Sanatana Goswami. O devoto dirigiu-se a Sanatana Goswami e informou-lhe que o Senhor Shiva aconselhara-o a pedir a melhor benção dele (Sanatana). Sanatana tinha uma pedra filosofal consigo, que ele mantinha junto ao lixo. A pedido do brahmana pobre, Sanatana Goswami deu-lhe a pedra filosofal (pedra de toque), e o brahmana ficou muito feliz por possuí-la. Agora ele poderia obter tanto ouro quanto desejasse simplesmente tocando ferro com a pedra filosofal.

Mas, após despedir-se de Sanatana Goswami, ele pensou: “Se a melhor benção é uma pedra filosofal, por que Sanatana Goswami a mantinha no lixo?” Então, o brahmana voltou e perguntou a Sanatana: “Senhor, se esta é a melhor benção, por que a mantinhas junto ao lixo?” Sanatana Goswami então respondeu: “Na verdade, esta não é a melhor benção. Mas estás preparado para receber de mim a melhor benção?” O brahmana disse: “Sim, senhor. O senhor Shiva mandou que eu viesse ver-te e te pedisse a melhor benção.” Então Sanatana Goswami mandou-o atirar a pedra filosofal num rio próximo e então regressar. O brahmana pobre assim o fez e, quando regressou, Sanatana Goswami iniciou-o com o mantra Hare Krishna. Assim, pela benção do Senhor Shiva, o brahmana obteve a associação do melhor devoto do Senhor Krishna e foi desse modo iniciado no maha-mantra – Hare Krishna, hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare / Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Todas as glórias a Srila Prabhupada!!!

Fundador-acayra da ISKCON, Srila Prabhupada ky jaya!


O servo de Prabhupada estava tendo dificuldade em controlar os sentidos, de modo que pediu que Prabhupada lhe recomendasse uma dieta especial. Quando se espalhou a notícia de que Prabhupada tinha recomendado uma dieta especial a seu servo, outro aproximou-se de Prabhupada em busca de um tratamento semelhante.

"Prabhupada, há algo especial que eu possa fazer para controlar a minha língua? Por acaso há certas coisas a evitar, como o açúcar?"

Prabhupada disse: "o método de controlar a língua é cantar e orar."

"Bem", disse o devoto, "eu canto e oro, mas ainda estou tendo dificuldade."

Prabhupada recostou-se em sua cadeira e riu. "Sim, eu sei. Eu tenho uma língua também. Pode ser difícil, mas, na medida do possível, tente alimentar-se com simplicidade."

Srila Prabhupada passou então a contar como, durante a Segunda Guerra Mundial, deu-se um bombardeio em Calcutá - bem na hora que ele estava preparando para tomar prasadam.

Os amigos vieram correndo à sua casa para avisar: "Abhay Caran, venha rápido! Soou o alarme contra ataque aéreo! São as bombas!" Prabhupada respondeu, dizendo que não iria, pois sua esposa acabara de preparar uns Kacauris. Disse aos amigos: "Vão para o abrigo. Eu vou ficar aqui." Então, ofereceu os kacauris, comeu-os e cantou Hare Krishna.



quarta-feira, 24 de junho de 2009



O texto abaixo foi-nos enviado por Paramahamsa Das prabhu.

Porque Krishna Aparece Como Jagannatha.

Extraído da última edição da revista “Back to Godhead” Set./Out./2007.

Tradução Bhagavan Das (DvS)

Por: Narada Rishi Dasa.

Eu nasci em uma tradicional família vaishnava na cidade de Puri, situada na costa leste da Índia. O Supremo Senhor Jagannatha e Seus devotos estavam no centro de minha vida. Quando criança, eu brincava com murtis de Jagannatha, Baladeva e Subhadra, as deidades do famoso templo de Puri.

Eu ainda me lembro que minha mãe me dava enormes pratos de “Jagannatha Prasadam” e dizia para eu sempre lembrar-me do Senhor. Eu via como as simples e devotadas pessoas do estado Orissa – mesmo doutores, engenheiros ou cientistas – nunca negligenciavam a adoração ao Senhor Jagannatha. Eu via como o rei de Puri se tornava um servo humilde e varria a rua para a carruagem do Senhor Jagannatha desfilar, no anual Ratha-yatra, ou festival de carruagens.

O Senhor Jagannatha talvez pareça estranho aos olhos dos ocidentais, mas Ele é a “vida e alma” do povo de Orissa. Embora eu tenha ido ao festival de Ratha-yatra várias vezes durante minha juventude, foi quando eu encontrei com os devotos da ISKCON que minha devoção pelo Senhor Jagannatha se tornou mais intensa. Agora, o Senhor Jagannatha é adorado em vários templos da ISKCON por todo o mundo, e eu, já mais maduro, posso percebê-Lo como a pessoa mais misericordiosa e encantadora, que releva as ofensas de Seus devotos e os atrai dia após dia, ao longo do caminho do serviço devocional.

Jagannatha significa “Senhor do Universo”. Vários livros védicos mencionam que o Senhor Jagannatha é Krishna. Baladeva é Seu irmão, e Subhadra Sua irmã. Embora Krishna seja absoluto e transcendental à natureza material, para aceitar o serviço amoroso de Seus devotos, Ele aparece perante nós como a deidade no templo feita de pedra, metal, madeira, ou pintura. Jagannatha é uma forma de Krishna manifestada em madeira. Porque o Senhor Jagannatha não se parece com Krishna, as pessoas talvez especulem: “Como Ele pode ser Krishna?”. Os vedas contam a história por trás da estranha forma de Jagannatha.

O advento Transcendental do Senhor Jagannatha.

O Skanda Purana relata os esforços do rei Indradyumna para encontrar uma deidade de Krishna após sonhar com uma bela deidade azul chamada Nila Madhava. O nome descreve a cor de safira da deidade: Nila significa azul e Madhava é um dos nomes de Krishna. O rei Indradyumna enviou mensageiros em todas as direções para encontrar Nila Madhava, e um brahmana de nome Vidyapati retornou com sucesso. Ele descobriu que em Vishavavasu, uma fazenda de criação de porcos (savara), numa remota vila tribal, se estava adorando secretamente a Nila Madhava.

Entretanto quando Vidyapati retornou ao local com o rei Indradyumna, Nila Madhava não estava mais ali. O rei Indradyumna cercou toda a vila com seus soldados e prendeu o chefe Vishavavasu, ao que uma voz vinda do céu proclamou: “Deixe os criadores de porcos em paz e construa um grande templo para Mim no topo da colina Nila, lá você Me verá não como Nila Madhava, mas em uma forma de madeira Nim”. Nila Madhava prometeu aparecer como madeira (Daru), e por isso Ele é chamado de Daru-Brahma (“madeira-espiritual”). Indradyumna esperou à beira do mar, até que o Senhor apareceu como uma gigantesca tora de madeira boiando às margens da praia.

Disfarçado como um senhor de idade, Visvakarma, o arquiteto dos semideuses, apareceu para esculpir as deidades sob a condição de que só o faria se pudesse ficar por vinte e um dias sem ser perturbado durante seu serviço. O rei Indradyumna consentiu, e o artista trabalhou com as portas fechadas. Antes do período estipulado se esgotar, todavia, o barulho característico do esculpir havia parado, e a intensa curiosidade do rei Indradyumna levou-o a abrir a porta. Visvakarma havia desaparecido. Na sala, as deidades de Jagannatha, Baladeva e Subhadra pareciam como se estivessem inacabadas – sem mãos, sem pés – e Indradyumna ficou extremamente perturbado pensando que havia ofendido o Senhor.

Naquela noite, o Senhor Jagannatha falou ao rei durante um sonho e o tranqüilizou explicando que Ele estava se revelando naquela forma por Seu próprio desejo inconcebível, a fim de mostrar ao mundo que Ele pode aceitar oferendas mesmo sem mãos, e se mover sem pés. O Senhor Jagannatha disse ao rei: “Certamente minhas mãos e pés são o ornamento de todos os ornamentos, mas para sua satisfação, você pode Me dar mãos e pés de ouro e prata de tempos em tempos”. Os devotos hoje adoram a mesma forma “inacabada” de Jagannatha, Baladeva e Subhadra em Puri e em outros templos por todo mundo. Essas formas fazem parte de Seus passatempos eternos.

Transformados pelas narrações de Rohini

O Utkala-kanda (Utkala é um sinônimo tradicional para a palavra Orissa) do Skanda Purana revela outro relato em relação ao aparecimento de Krishna como Jagannatha. Certa vez, durante um eclipse solar, Krishna, Balarama, Subhadra e outros residentes de Dvaraka foram se banhar em um lago sagrado em Kurukshetra. Sabendo que Krishna estaria presente no local de peregrinação, Srimati Radharani, os pais de Krishna Nanda e Yashoda, e outros residentes de Vrindavana, que estavam queimando no fogo da separação do Senhor, foram até lá para se encontrarem com Ele. Dentro de uma das várias tendas que os peregrinos haviam montado em Kurukshetra, Rohini, a mãe do Senhor Balarama, narrou os passatempos de Krishna em Vrindavana para as rainhas de Dvaraka e outros que estavam presentes. É dito que os habitantes de Dvaraka estão no humor de opulência (aishvarya), e que eles adoram a Krishna como o Senhor Supremo. Mas os residentes de Vridavana estão no humor de doçura (madhurya), e tem uma relação confidencial com Krishna que ultrapassa a idéia de contemplação e reverência por ser baseada em amizade e amor. As histórias contadas por Rohini eram extremamente confidenciais, então ela colocou Subhadra de guarda na porta, para que ninguém ouvisse por acaso.

Krishna e Balarama foram também até a porta e ficaram cada um de um lado de Subhadra. Enquanto ouviam as narrações de Rohini sobre os passatempos íntimos de Krishna em Vridavana, Krishna e Balarama se tornaram extáticos, e seus sentimentos internos se manifestaram externamente. Seus olhos tornaram-se dilatados, Suas cabeças se comprimiram junto ao corpo e Seus membros encolheram-se. Vendo estas transformações em Krishna e Balarama, Subhadra também entrou em êxtase e assumiu uma forma similar. Assim, por ouvirem acerca dos passatempos de Krishna em Vrindavana, Krishna e Balarama com Subhadra no meio, exibiram suas formas extáticas de Jagannatha, Baladeva e Subhadra.

O êxtase máximo do Senhor

De acordo com o Skanda Purana, o jyesta-purnima, o dia de lua cheia do mês jyesta (maio/junho) é aniversário do Senhor Jagannatha. Jagannatha é Krishna, mas o aniversário de Krishna é o Janmasthami, no mês de Bhadra (agosto/setembro). Esta aparente contradição é solucionada se entendermos que o jyesta-purnima é quando o Senhor Krishna aparece na forma de Jagannatha com olhos dilatados e membros encolhidos. Essa forma é conhecida como Mahabhava-prakasha, a forma extática de Krishna. Mahabhava significa “o êxtase máximo”, e prakasha significa “manifestação”, assim o Senhor Jagannatha é literalmente a forma do Senhor Supremo Krishna em êxtase.

Há um poema de nome mahabhava-prakasha, escrito por um poeta de Orissa conhecido como Kanai Khuntia, que descreve o significado confidencial por trás da forma de Jagannatha: Ele é a corporificação do sentimento de saudades de Krishna manifestado pelos residentes de Vrindavana, especialmente de Sri Radha e das Gopis. As escrituras explicam que o intenso êxtase espiritual, particularmente neste humor de separação da pessoa amada, produz transformações no corpo. Uma vez que Krishna não é diferente de Seu corpo, Seus sentimentos mais internos manifestaram-se externamente, e Ele assumiu a forma de Jagannatha.

O êxtase de mahabhava é comparado a um oceano. No passatempo com o rei Indradyumna, um gigantesco tronco boiava no oceano. Similarmente, as formas de Jagannatha, Baladeva e Subhadra bóiam no oceano de mahabhava.

Quando o sábio Narada Muni viu Krishna transformado em Jagannatha, ele orou para que o Senhor aparecesse naquela forma novamente. Embora o Senhor não tenha nenhuma obrigação para com ninguém, Ele corresponde a Seus devotos satisfazendo seus desejos. No Garga Samhita (1.27.4) Krishna afirma: “Eu sou plenamente completo – todas as epopéias estão em Mim. E mesmo assim, Eu Me rendo aos desejos de Meu devoto e apareço em qualquer forma que ele queira”. Assim, da mesma forma que Krishna aparece como Nila Madhava para satisfazer Vishvavasu, Ele aparece sob a forma da deidade de Jagannatha e reside em Jagannatha Puri para satisfazer o desejo de Narada Muni. Esta forma especial de Krishna também é conhecida como Patita Pavana, o salvador dos caídos, e todo aquele que tem Sua audiência com a devida consciência é presenteado com a liberação espiritual.

Jagannatha como o Krishna de Vrindavana

Embora Jagannatha seja habitualmente identificado como o Krishna de Dvaraka, no humor de opulência Sua real (e confidencial) identidade é como o Krishna de Vrindavana, o querido de Radharani. O Jagannatha Chaitanyam afirma: “Radha permanece no coração do Senhor Jagannatha, e Krishna no coração de Radha”. Krishna é famoso por Seus relacionamentos, especialmente com os residentes de Vrindavana, e os devotos às vezes se referem ao Senhor Jagannatha nesse humor. Jagannatha é considerado o consorte de Radharani, que se associa com Krishna unicamente em Seu humor de Vrindavana. O êxtase resultante do amor de Krishna por Radharani é a causa de Sua Transformação na forma de Jagannatha. Um poeta de Orissa, Vanamali, canta: “Ó Jagannatha, amado filho adotivo de Yasodadevi, Sua Radha é como o pássaro chataka que bebe apenas as puras gotas da chuva, e Você chove com muita graça”.

Em Vrindavana, Krishna assume a graciosa forma com três curvas corporais (tribanga-lalita) e usa uma pena de pavão e toca Sua flauta. O Jagannathastakam (verso 2) identifica Jagannatha em tal humor:”Em Sua mão esquerda, o Senhor Jagannatha segura uma flauta. Em Sua cabeça Ele usa uma pena de pavão e em Seus quadris Ele usa um fino tecido de seda amarela. Pelo canto de Seus olhos, Ele olha de relance Seus amáveis devotos e sempre se revela através de Seus passatempos em Sua divina morada Vrindavana. Que este Senhor Jagannatha seja o objeto de minha visão”.

A devota e poetiza Madhavi-devi (Caitanya Lila), irmã de Ramananda Raya escreve em uma de suas canções: ”Os tenros e doces versos do Sri Gita-govinda, trazendo o nome de Radha, se entrelaçam com as khanduas (peças de roupas usadas por Jagannatha todas as noites), que o Senhor Jagannatha mantém bem próximas de Seus ombros”.

O Chaitanya-Chaitanya explica que Krishna vem como Caitanya a fim de entender os sentimentos de Radharani. Durante o Rathayatra, Ele dança em êxtase perante o Senhor Jagannatha para chamar Sua atenção. Em resposta, Jagannatha o consola: ”Eu nunca esqueci nenhuma gopi ou gopa, muito menos Você, Srimati Radhika. Como poderia Eu esquecê-La?”.

No Brihad-bhagavatamrita (2.5.212 a 214), Narada Muni revela a Gopa-kumara: ”Eternamente querida a Sri Krishnadeva, tanto quanto Sua bela Mathura-dhama , é aquela Purushottama-kisetra. Lá, o Senhor não só exibe Sua opulência suprema, mas também encanta Seus devotos agindo como uma pessoa comum deste mundo. E se você não ficar plenamente satisfeito após chegar lá e vê-Lo, então ao menos fique lá por algum tempo para conseguir sua meta desejada. É claro que sua meta última é amor puro pelos pés de lótus de Krishna, a vida e alma das divinas gopis – amor que segue o humor da própria Vrajabhumi do Senhor - você não está procurando por outra coisa”. Amor por Jagannatha é Krishna-prema, amor por Krishna, que é nossa meta última. Krishna se tornou acessível a todos em Sua forma de Jagannatha.

Uma vez que o Senhor Jagannatha não é outro senão Krishna, Sua morada é idêntica a Vrindavana, onde Krishna executa Seus passatempos infantis. Jagannatha Puri – também conhecida como Purushottama-kisetra, Sri Kishetra e Nilacala (o local da montanha azul) – contêm todos os passatempos (lilas) de Krishna em Vrindavana, embora possam porventura estar escondidos dos olhos materiais. O vaishnava-tantra afirma: ”Qualquer lila de Krishna que se manifeste em Gokula, Mathura ou Dvaraka são encontradas em Nilacala, Sri Kishetra”. Através de apropriada visão espiritual – olhos untados por amor a Deus, Krishna-prema – a pessoa pode ver todos os passatempos de Krishna ali manifestos.

Jagannatha não é ninguém senão a manifestação extática de Krishna que apareceu em Sua forma mais misericordiosa para ajudar-nos a voltar para casa, voltar ao Supremo. Por isso Srila Prabhupada introduziu o Ratha-yatra do Senhor Jagannatha em várias cidades por todo mundo, exatamente para retirar as almas condicionadas do enredamento de maya (ilusão). Tiremos todos, então, o máximo benefício de tal evento.

Digitação: Paramahamsa Das

Algo que você e eu não devemos esquecer nunca!!!


man-mana bhava mad-bhakto
mad-yagi mam namaskuru
mam evaisyasi satyam te
pratijane priyo ' si me

"Pense sempre em Mim e torne-se Meu devoto. Adore-me e ofereça-Me homenagens. Agindo assim, você virá a Mim impreterivelmente. Eu lhe prometo isto porque você é Meu amigo muito querido."

sarva-dharman parityajya
mam ekam saranam vraja
aham tvam sarva-papebhyo
moksayisyami ma sucah

"Abandone todas as variedades de religião e simplesmente renda-se a Mim. Eu o libertarei de todas as reações pecaminosas. Não tema."

Retirado do Bhagavad-Gita, cap. 18, versos 65-66.

Tal é a promessa do nosso Deus. Nunca se esqueça!

Jaya Radhe!!!

Haribooooool!!!!

domingo, 21 de junho de 2009

Por que cantamos Hare Krishna?

No Adi Purana, Krishna afirma, ao se dirigir a Arjuna:

"Deve-se considerar que qualquer pessoa que se dedique a cantar Meu nome transcendental está sempre se associando comigo. E posso Lhe dizer francamente que para um devoto dessa categoria Eu Me torno facilmente adquirido."

No Padma Purana também se declara: "Não há diferença entre o santo nome do Senhor e o próprio Senhor. Como tal, o santo nome é tão perfeito como o próprio Senhor em plenitude, pureza e eternidade. O santo nome não é uma vibração sonora material, tampouco tem nenhuma contaminação material".

Em outras palavras, os sentidos materialistas não podem cantar convenientemente os santos nomes do maha-mantra Hare Krsna. Mas aquele que adota esse processo de cantar recebe a oportunidade de se purificar realmente para que possa muito brevemente cantar adequadamente.

Por isso, pare um pouco, respire profundamente... pense... pra que tanta correria? Respire, medite e aproveite a oportunidade inigualável de poder pronunciar os santos nomes e estar juntinho de Deus!!!

Hariboooooool!!!


sábado, 20 de junho de 2009

Govinda revela Gouranga!

Durante uma rasa lila às margens do rio Yamuna, Srimati Radharani abandonou a arena da dança.


Sri Krishna foi atrás de Radha pelos bosques de Vrndavana, mas não conseguiu encontrá-la.


Sentado debaixo de uma árvore de tamarindo em Imli-tala, onde Radha costumava ficar, Krishna começou a cantar: “Radha, Radha, Radha”.


Totalmente imerso em pensamentos sobre Radharani, o corpo transcendental azulado de Sri Krishna foi assumindo a radiante coloração dourada de Srimati Radharani.

Nesse momento, Sri Radha e suas amigas gopis chegaram e ficaram cativadas por essa forma dourada de Krishna.


Então Srimati Radharani disse: “Finalmente, vejam, Krishna está sentado aqui!

Krishna então abandonou seu humor de separação ao perceber que Radharani e as gopis estavam por perto. Radharani então lhe perguntou sobre o significado dessa forma dourada, sem precedentes.


“Estava lhe procurando Radhika” – respondeu Krishna – “Sentei-Me aqui e comecei a cantar Teu nome. Gradualmente Meu corpo foi assumindo Tua refulgente cor dourada e Meus sentimentos foram se substituindo pelos Teus. Meu corpo foi gradualmente se transformando e me fez experimentar o intenso humor de Tua separação de Mim. Nunca antes eu havia sentido isto. Em Kali-yuga aceitarei novamente Tua forma e temperamento, e distribuirei livremente o prema-bhakti a todas as almas condicionadas”.